terça-feira, 28 de abril de 2015

Mísera razão



Teu jeito amigável
E teu sorriso amável
Protege-me do sofrimento
De sabor intragável,
Doloroso e detestável
Que sinto neste momento.

Se não estás, a dor piora
E a vida é jogada fora
Na escuridão da mente
Que a alma ignora
Com a chegada da hora
Da desgraça iminente.

Tu és a minha tentação
E a mísera razão
Para continuar a lutar
Contra toda a solidão
Que meu coração
Insiste em suportar…



José Coimbra

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Indagar, navegar, procurar e seguir



É indagar pelo mundo desconhecido
Que a tua voz melancólica cria
E procurar um simples sentido
Para enfrentar mais um dia.

É navegar e sonhar acordado
Entre o mar revoltado pela tempestade
Que me deixa acorrentado
Ao teu sorriso, sem piedade.

É procurar o fio do destino
Que me revele o brilho secreto
Desse azul cativante e cristalino
Do teu olhar indiscreto.

É seguir o moribundo cortejo
Do desencanto de uma alma perdida
Que nos confins tem um forte desejo
De ter o teu beijo que me dê a vida…



José Coimbra