segunda-feira, 13 de outubro de 2014

No silêncio das palavras



Lembrar-me do que não quero
Só causa dor e desespero
Neste já cansado coração.
É ter as emoções amordaçadas
No silêncio das palavras
Que fogem a minha compreensão.

Este sentimento tão humano
De quer-te dizer que te amo
Quando agarrar a tua mão
Deverá ser uma sensação incrível
Será como alcançar o impossível
Nos limites da paixão.

Queria ter-te ao meu lado
E deixar meu coração apaixonado
Sair da angústia da solidão
E dar outra cor à vida
Para que a mágoa seja esquecida
Neste meu mundo de ilusão…



José Coimbra

domingo, 12 de outubro de 2014

Essência da paixão



Teu rosto inspirador
É a minha salvação
Que injecta algum calor
No meu mundo de escuridão

Tu és a luz brilhante
Que ilumina o meu dia
Sendo o teu corpo atraente
A razão da minha alegria

És a essência pura
Da paixão perfeita
Que enche de ternura
A minha alma desfeita…



José Coimbra

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Chama da paixão



És a melodia fatal
Do meu instinto animal
És a palavra proibida
Da minha inocência perdida
És o veneno mortal
Do meu poema irracional
És a fera destemida
Da minha alma adormecida.

És o mistério indecifrável
Da minha paixão incontrolável
És o feitiço sagrado
Da incerteza do meu fado
És a beleza incensurável
Do meu mundo descartável
És a chama do pecado
Do meu coração apaixonado…



José Coimbra

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Uma lágrima cai…



Uma lágrima cai…
Na noite silenciosa
Criada pela dor
Dessa força poderosa
Que lhe dão o nome de amor.

Uma lágrima cai…
Na fria escuridão,
Longe do teu olhar
Ela cai na solidão
Sem ninguém para a secar.

Uma lágrima cai…
Em pleno sofrimento,
Com a tua partida
Só ficou o lamento
E uma profunda ferida…




José Coimbra

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Era sombria



Distorção dos segredos revelados
São a luz de todos os mistérios
Que em veneno estão encharcados
E podem destruir os maiores impérios.

As palavras sagradas dos profetas
São meras gotas num imenso mar
Que não evitaram as guerras violentas
Pela sabedoria emanada pelo ar.

As armas serão a lei da anarquia
Que este planeta ira testemunhar
Numa nova era perdida e sombria
Que á extinção nos ira levar…



José Coimbra